quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

LARANJA MECÂNICA


A Clockwork Orange, Stanley Kubrick, 1971


16 comentários:

  1. Muitos podem discordar, mas para mim Laranja... é um dos melhores filmes já realizados... Elenco incrível, visual impecável, extremamente fiel ao livro original de Anthony Burgess...
    Mas poucos sabem que Laranja não é a primeira adaptação do livro homônimo... Andy Warhol realizou nos anos 60 sua versão mais suja e mais perturbadora, batizada de Vynil, com trilha de Nico, sua cantora favorita... Nunca vi na integra, mas pelos poucos trechos que tive acesso é muito mais depravado e doentio...
    Retornando a Laranja Mecânica, a forma no qual Kubrick usa o texto do livro para explorar a psique humana ao seu modo é genial... No fim, o mesmo resultado de sempre: a natureza humana pode ser modelada, mas jamais modificada na sua totalidade!!!

    ResponderExcluir
  2. É| muito forte... não nos poupa dos detalhes. Sabemos que homem pode ser cruel, mas, não suportamos ver sua crueldade. Laranja Mecânica é ultraviolento do inicio ao fim. Kubrick mostra tudo de um modo cínico e hipócrita do eucentrismo da sociedade.
    Não há como saber o que é mais desumano. Alex DeLarger se divertir com suas atitudes de violência (matar, estrupar, violar regras por diversão) ou o processo de recuperação imposto a ele pelos inescrupulosos políticos. Tornando a pessoa totalmente indefesa a violência do mundo.
    Um filme que te faz pensar e enojar-se de nossa condição humana.
    Natalie Patricio

    ResponderExcluir
  3. Nossa achei muito bizarro, um filme com muita violência.
    Não consegui assistir todo ele mais o pouco que vi percebi que é um filme forte, com cenas bem marcantes. Violência pura e gratuita domina o filme inteiro o que não deixa a desejar aos dias atuais em que vivemos. O interessante e ver que do nada os cara saem batendo, estuprando e violentando as pessoas que cruzam ou que muitas vez não tem nada a ver com eles. Em fim não é o tipo de filme que gosto de ver.

    Fabiano Duarte

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Não gostei, até entendo que seja Kubrick e tal mas não achei tudo isto que pintam não.
    Eu procurei ler o livro para depois partir para o filme, esperava mais, muito mais.
    Malcolm McDowell não me surpreende com seu ar doentio, sua atuação parece forçada demais.
    Não basta ter cara de maníaco, tem que transmitir isto.
    O filme tem sacadas interessantes e só.
    Prefiro Funny Games, primeira versão.
    Como dizem, gosto é igual ao "Gehirn" cada um tem o seu.
    O gênio neste caso é Anthony Burgess, autor do livro e não Kubrick.

    ResponderExcluir
  6. Caos e Caótico são duas palavras que Kubrick adora falar.
    Existem diretores que se especializam para diferentes áreas, mas o Caos e Caótico é um mercado que nem todos gostam de se estabelecer, além de ser absurdamente desconfortante, é necessário uma quantidade infinita de novas idéias para levar o publico a uma nova forma de nostalgia e repulsa. Kubrick adora criar isso aos seus fãs, adora fazê-los gritar, olhar para o lado de repulsa e fazê-los se questionar de sua própria sociedade, e é por isso que ele é um dos melhores diretores da história do cinema, por que até sua morte ele viveu para criar o inesperado de uma sociedade, que a partir de seus olhos, era caótica e autodestrutiva.
    Laranja Mecânica talvez seja o filme de maior impacto de sua carreira, pois mostra uma sociedade em frente ao abismo e personagens com almas quebradas.

    Alex Oliveira

    ResponderExcluir
  7. Filme clássico. A forma que o filme mostra a suposta tentativa de reeducação de Alex é absurda e incrível. Por ser muito violenta, tanto corporal quanto psicológica. Fazendo tomar remédios e até lavagem cerebral. Stanley Kubrick consegue mostrar, no filme, que a sociedade, os “educadores” podem ser tão agressivos, maldosos quanto o criminoso, no caso Alex.

    ResponderExcluir
  8. Acho esse filme perfeito. Não é à toa que a seleção holandesa levou tal apelido. Eu fiz a besteira de ver esse filme em preto e branco pela primeira vez, um absurdo, as cores são lindas, os objetos escolhidos, a atuação, tudo chama a atenção. A história é muito boa, não poderia ter caido em mãos melhores.

    ResponderExcluir
  9. Muito por causa da criação omissa que aparentemente teve, Alex não controlava seus impulsos violentos. Era um verdadeiro delinquente. Pelo menos o mundo apresentado no filme é, de certa forma, justo. Alex não ficou até o final agindo como bem queria e a violência voltou contra ele, mas de uma maneira bem desumana. Mesmo assim, a possibilidade de praticar o mal não foi extinta com o tal tratamento.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  11. Um filme extremamente violento, do início ao fim. Alex, primeiramente é o vilão da história, o cara que sente prazer em causar o terror, ele usa o lado mais sujo e imoral de um humano e no fim tudo acaba voltando pra ele. É um filme brilhante e com certeza um grande gerador de polêmicas.

    ResponderExcluir
  12. Esse foca os lados mais obscuros dos seres humanos, com violência de todos os
    tipos causando um mau estar e que se confunde aos dias de hoje jovens insanos que saem batendo em todos que vêem não é algo raro atualmente o que mostra que o maior combustível do ser humano é o conflito.


    Jean Belegante

    ResponderExcluir
  13. Perfeito, polêmico. Fantástico, violento. Poético, metafórico. Provocante, perturbador. Erótico, engraçado. Intrigante, reflexivo. Irônico, cínico. Magnífico, moderno. Desafiador, hipócrita. Lindo, tenso. Obra prima, único. Realista, transgressor. Stanley Kubrick consegue nesse filme até mesmo confrontar os seus próprios adjetivos. Uma aula de Direção, vários problemas da sociedade retratados num plano de fundo no filme.

    ResponderExcluir
  14. É realmente forte e em certos momentos passa de nojento à repulsivo. Achei interessante como o personagem principal passa de bandido mau á pobre coitado. Acho que ele só recebeu de volta o que tinha feito à sociedade, só que em dose maior. A temática e a narrativa são legais, porém não é o tipo de filme que não agrada a todo mundo.

    ResponderExcluir
  15. Desta vez a fama do filme é muito mais importante do que minha opinião sobre ele.

    É aquilo que todos dizem. Caótico, violento, crítico, inteligente e ácido.
    Neste exato momento, só me recordo de um único filme com boas proporções de loucura e violência urbana antes de laranja mecânica, Sem Destino (Easy Rider) de 1969, mas mesmo assim não é o foco do filme.
    Alex é um ícone. O filme é um marco. O diretor é considerado um gênio. Definitivamente, merece aplausos.

    O filme ainda não me surpreendeu, mas voltarei a ve-lo mais vezes, pois sei que algo ali, um dia, há de me convencer.

    ResponderExcluir
  16. O filme é incrível, o contraste da trilha com as imagens são chocantes e nos deixa embasbacados pois o filme do inicio ao fim é muito violento.

    ResponderExcluir