domingo, 16 de outubro de 2011

A MALVADA

MOFO. 
NESTA SEXTA.  DIA 21.10.  NO ESPAÇO DE ARTE.


(All About Eve, Joseph L. Mankiewicz, 1950)


Nesta primeira exibição do MOFO fora do IFPR, o longa em cartaz é  A malvada, reconhecido como um dos maiores clássicos do cinema hollywoodiano e um dos filmes com maior recorde de indicações ao OSCAR. Anotem aí o endereço do ESPAÇO DE ARTE, que gentilmente compartilhará desta sessão super especial do Cineclube MOFO, e os debatedores convidados:


DIA 21.10.11 - 19hs - Entrada Franca e por ordem de chegada. Chegue cedo para garantir seu lugar!


Local: ESPAÇO DE ARTER. Alberto Folloni, 1534.

Debatedores convidados:

ADRIANE PASA, Formada na Escola de Música e Belas Arte do Paraná e blogueira do portal Cinema sem blá blá blá.

DANILO CUSTÓDIO, Estudante da FAP/CINETV-PR, já participou de cursos técnicos e livres do Espaço de Arte e da Cinemateca de Curitiba, onde atualmente atua como mediador da Sessão Cineclube que acontece mensalmente. Além de já ter trabalhado em dezenas de curtas-metragens e vídeos publicitários.

10 comentários:

  1. Mega sessão cinematográfica no maravilhoso Espaço de Arte que vai contar com a participação especial de profissionais, estudiosos e adoradores da área do cinema.
    Ninguém pode perder a primeira sessão do mofo fora do IF!!
    Nesta sexta, dia 21/10. Contamos com a presença de todos =))

    ResponderExcluir
  2. A melhor seção do MOFO na minha opinião aconteceu no dia 21.10, no Espaço de Arte. Local aconchegante e ideal para assistir a um ótimo filme, e de quebra bater um papo afinadíssimo com os debatedores: Danilo Custódio e Adriane Passa. Contando com a presença de apenas 11 pessoas (contando com os debatedores e com o professor Luciano)esse MOFO foi o que mais se aproximou de um cineclube. Quanto ao filme, All about Eve, ou A malvada, é um clássico hollywoodiano ganhador de diversos oscars. O filme apresenta algumas inovações em termos de linguagem para o que se fazia na época, com muitos movimentos de câmera, planos mais fechados que o normal, e um denso diálogo muito bem escrito. A equipe que organizou o MOFO lamenta a ausência de TODOS os alunos de nossa sala, mas agradece a presença dos debatedores já citados e do pessoal do Espaço de Arte, que incentiva a produção e o diálogo sobre cinema em Curitiba.

    ResponderExcluir
  3. Este filme já nasceu clássico e a força de sua temática mantém-se atual até os dias de hoje. A história da jovem fã que se espelha numa grande diva e usa de sua cara de boa moça e toda sua dissimulação e perfídia para tomar lhe o lugar já foi reprisada várias vezes, mas nunca tão bem quanto nesta história original. Uma verdadeira obra prima. Bette Davis oferece uma atuação incrível que lhe garantiu uma indicação ao Oscar e a vitória da Palma de Ouro em Cannes, interpretando uma personagem que conquista nossa admiração, embora não seja uma mulher tão boa ou tão doce, apenas uma mulher comum e real, com suas crises e defeitos. Já Anne Baxter tem o desafio de interpretar uma personagem que interpreta o tempo todo para conquistar seus objetivos. A fluidez da câmera, a mise-en-scène muito bem planejada e coreografa, a trama enxuta (pois embora trate-se de um filme longo e bastante verborrágico não se torna cansativo em nenhum momento) são características que completam as qualidade deste longa que foi o filme perfeito para uma exibição de Cine Clube perfeita, uma pena que todos perderam.

    ResponderExcluir
  4. A Malvada (All about Eve, 1950) é um filme clássico do cinema norte-americano. Caracteriza-se pela fotografia enfatizada pelo contraste entre preto e branco, enfatizando a luz nas cenas. Utiliza narração durante o filme (inserção de flashbacks), possui vários fades na transição entre as cenas, as cenas são bem longas, poucos cortes.. o que é mais interessante na parte técnica do filme é a questão de posição em cena dos personagens, a cena da festa onde os personagens conversam sentados na escada é magnífica. Se utiliza de muitos planos americanos, planos próximos enfatizando as expressões das personagens principais.
    O roteiro faz apologia à fama, ao mundo das celebridades, ao crescimento da Indústria Cinematográfica em Hollywood, ao conflito entre cinema e teatro, ao preconceito que muitos atores têm em relação à diferença artística em se interpretar um personagem no palco, com o público/audiência ligado diretamente ao ator e a perspectiva do cinema; Ao que se é capaz de fazer para se conseguir algo, a ambição, as intrigas entre os personagens, o egocentrismo de artista, ciúme, a idéia de que as aparências enganam, o show business..
    Os conflitos se encontram nos diálogos, bem estruturados, cheio de jogos de palavras, ironia e conceitos subliminares. E lógico, na interpretação dos atores: a atuação de Bette Davis é genial, como a típica top atriz fechada em um mundo onde ela é o centro das atenções o tempo todo, a questão (complexo entre as mulheres há muito tempo) sobre a idade, a questão de “perder” para a mais jovem. O conflito, muito bem adaptado no decorrer do filme, entre a inteligência, o conhecimento e a beleza, a juventude.
    É um filme clássico, mas que vale a pena tirar do fundo do baú, ainda mais para análises técnicas..

    ResponderExcluir
  5. Concordo que todos perderam, principalmente os comentários dos convidados, fundamentais para compreensão de muitas partes do filme, e lógico absorção de conhecimento a mais pra gente, que tá estudando a área e gosta de filmes. O lugar também bem bacana, apesar de pequeno.

    ResponderExcluir
  6. Ah! Uma cena que eu achei muito interessante que parece até meio forjada é a em que Eve Harrington (Anne Bexter) está caminhando na calçada conversando com Lloyd Richards (Hugh Marlowe).. Mas as cenas mais bacanas acho que são as no palco do teatro, quando a Margo invade a cena e quebra o clima "cool" do ambiente com um ar de megera..

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. O roteiro de "A malvada" é extremamente inteligente têm diálogos muito bem estruturados e desenvolvidos. A maior parte dos conflitos existentes no filme é concentrado nos diálogos, em jogos de palavras, em duplos sentidos, na ironia e nas entrelinhas. A narração resulta em diálogos incrivelmente sarcásticos e deliciosos.
    O filme reflete o estilo de montagem de sua época, com menos cortes e cenas mais longas. Mesmo sendo assim "A malvada" é muito agradável assistir.

    ResponderExcluir
  9. Uma verdadeira prova que um bom roteiro é o essencial para um longa de sucesso. o filme é sotisficado e inteligente, Atuações impecaveis, a trama é bem desenvolvida, não é um filme perfeito.
    Carrega um tema ainda atual, Anne Baxter e George Sanders são magnificos, mas os créditos vão Bette Davis, que rouba a cena. Um filme indispensável.

    ResponderExcluir
  10. Estar envelhecendo, algo que Margo sabe o que significa à carreira e a trata com elegancia. Mesmo com a sabedoria de uma mulher madura comparado a uma jovem, Margo ainda é ameaçada pela astúcia de Eve.
    Todos os premios e nomeações se devem ao brilhiantismo da obra, diálogos construídos inteligentemente sendo agradável ao expectador todo o jogo de palavras, nunca sendo cansativo.
    Atuação impecável, muitas sutilezas e também com um certo ritmo de teatro, ainda mais agradável pelo sutaque pomposo de todos, deixando sempre o clima de glamour no ar.

    ResponderExcluir